Pitacos Fashion

Pitacos sobre moda, arte, cultura e muitas outras coisas. Welcome!

Subscribe to Pitacos Fashion Add to Technorati Favorites Add to Del.icio.us Favorites
jul 18

Se tem uma coisa que gosto de ver nos blogs é o estilo das celebrities. A questão é que, aqui em Brasília, nossas celebrities são os políticos que por aqui trabalham!

E se tem uma parlamentar de quem eu curto o estilo é a Manuela D’Ávila. Ela consegue imprimir sua imagem doce e marcante, por meio de produções discretas e femininas.

Manu começou sua vida política em 1999, fazendo parte do movimento estudantil. Em 2004, tornou-se a mais jovem vereadora de Porto Alegre e, em 2006, foi eleita a deputada federal mais votada pelo RS. Agora, exerce seu segundo mandato como a deputada federal mais votada do Brasil.

Tive a oportunidade de realizar uma entrevista com ela e falamos sobre moda, estilo, política e comportamento.

PF) Você tem um blog – Bola de Meia Bola de Gude (que, inclusive, “superindico” a leitura), que, como você mesma diz: “é o seu espaço de declarar o amor e a dor, a presença e a ausência.” Como é a sua relação com blogs? Digo: têm aqueles blogs que fazem parte da sua leitura diária? Curte algum blog de moda?

MD) Meu blog é meu espaço pessoal, é onde publico coisas que não são política (embora seja impossível não falar dela sempre!). E tem muito blog bacana por aí. Sempre que posso leio alguns e eles são super aleatórios, cada um de um tema diferente. Sigo alguns perfis relacionados à moda em meu twitter e recebo algumas news também. Curto um blog gaúcho chamado lookmelissa.

PF) Como é a sua relação com a moda? Gosta? Acompanha as semanas de moda?

MD) Gosto bastante de moda! Por estar sempre viajando, acabo acompanhando muito mais por blogs, revistas e programas de TV. E, infelizmente, eu não levo muito jeito para seguir as tendências.

PF) Quanto você acha que sua imagem influencia seu trabalho?

MD) Na política somos muito mais conteúdo do que forma. Mas a imagem também é importante, óbvio. Para mim, a gente tem o estilo daquilo que é. Minha vida corrida, super dinâmica não permite o uso de determinadas peças, por exemplo. Ao mesmo tempo pede o uso de outras. Isso também é ter estilo. Seria ridículo insistir em usar salto – porque dizem estar na moda – se sei que meu dia de trabalho tem 16 horas!

PF) A moda tem recebido grande investimento no Brasil e trazido resultados em diferentes frentes, principalmente a econômica. Que futuro prevê para esse mercado, que está em ascensão?

MD) Acredito muito no talento e na criatividade do brasileiro. Temos estilistas que já são consagrados fora do país e nossa moda, aos poucos, começa a ser reconhecida pelas marcas que nos caracterizam. Mas ainda há muito a ser conquistado. Já deixamos de acreditar que o bom é que vem de fora. Precisamos convencer as pessoas de que a moda não está ligada ao estilismo e envolve uma grande cadeia produtiva que vai desde a criação, passa pela tecelagem, pesquisas, grandes eventos e marketing. São milhões de empregos diretos e indiretos e uma participação significativa no PIB do país (quase 5%).Outro fator importante é que o Brasil está se preparando para o mercado, investindo em formação (são mais de 80 escolas de moda) e capacitação. E já vemos no Congresso representantes do setor trabalhando e buscando envolver o governo no desenvolvimento do setor. O potencial é imenso.

PF) O post de 05.05.2011 do seu blog (leia a íntegra do post aqui) relata que você foi impedida de entrar no Supremo Tribunal Federal – STF, por não estar vestida formalmente. Faltava o blazer, lembrando que você vestia um casaco de mangas compridas e que poderia fazer facilmente as vezes da peça ausente. A que atribui o fato de certas formalidades de indumentária pararem no tempo, em vez de acompanharem sua evolução?

MD) Acho que o Brasil evoluiu em muitos aspectos, mas segue estagnado em outros. É absurdo que a seriedade de alguém seja medida pela roupa que veste. Espero que a gente avance nisso não apenas por esse episódio que aconteceu comigo, mas por tantas mulheres que devem ter sido barradas pelo mesmo motivo. Avançamos em ideias e debates e escorregamos em trajes… Esse não é o país que queremos. E mais, quem disse que o blazer é formal para mulher?!

PF) O que acha da frase: “Ninguém tem uma segunda chance de causar uma primeira boa impressão”. Concorda? Ou acredita que existe a segunda chance?

MD) Acho que uma boa primeira impressão conta muito! Mas, para isso, ela não pode ser superficial, pois somos um país de muitos preconceitos. E a mulher, principalmente, sofre muito com isso. Por isso digo que a primeira impressão, se for bem embasada, conta muito.


PF) Uma mulher cujo estilo você admira.

MD) Admiro mulheres que sabem ser básicas. A Michele Obama é um bom exemplo disso (e aqui não há nenhum vínculo político).

PF) Qual a peça coringa do seu guarda-roupa? Aquela que você não vive sem…

MDVestidos.

 

PF) Uma fraqueza fashion

MD) Sapatos baixos e esmaltes.

PF) Não sai de casa sem…

MD) Relógio.

Quero agradecer à deputada Manuela por ter sido solícita e à Flávia, assessora de imprensa, que foi uma querida, fazendo a ponte e tornando possível esta entrevista.

beijos,

Lili.

Revisão de texto: Marina Vasconcelos

Contato:marinavasconcelos0@gmail.com

Créditos das fotos: assessoria de imprensa da parlamentar e Google images

Escrito por Lili de Deus em 18 julho, 2011 | Tags: , ,

mai 25

E quando a gente pensa que  Lady Kate já nos surpreendeu o suficiente usando ZARA, lá vem ela para mostrar que definitivamente elegância não está associada a preço. No encontro do casal real britânico com o presidente dos EUA e sua digníssima senhoura, Kate aparece deslumbrantemente LINDA (e mais magra ainda!) com um vestido de 175 libras que tem valor aproximado de R$ 450,00.

De onde é o vestido? http://www.reissonline.com.br.

*clique na foto para ampliar

 

Isso mesmo! A notícia foi divulgada pelo Daily Mail que ainda noticiou que devido ao alto número de acessos (muheres a beira de um ataque de nervos!) o site teve problemas durante todo o dia.

Acho que o próximo passo de Kate será começar a fazer uso dos sites de compra coletiva, hahah. Será?

Bjos,

Lili

 

Escrito por Lili de Deus em 25 maio, 2011 | Tags: ,

abr 26

Quando resolvi tirar meu ano sabático em São Paulo, eu tinha apenas uma coisa em mente. Queria mergulhar, entender, conhecer, estudar este fascinante mundo da MODA. Eu sabia que não queria me aprofundar na área de estilismo porque, afinal, tenho bom-senso e não sei desenhar nem casinha, quem dirá desenvolver uma coleção inteira! A questão é que eu me sentia um pouquinho perdida porque só saber que gostava de moda não era o suficiente! Precisava saber por onde começaria, que cursos faria.

Aqui em Brasília temos um lifestyle, digamos assim, um pouco diferenciado. A cidade respira política, os cursos de Direito têm suas salas lotadas e a busca por uma vaga no serviço público é o desejo de 8 entre 10 brasilienses (estatística minha, tá? hahaha). Por conta desta rotina “levemente burocrática”, Brasília tem uma moda bem peculiar. Considerando que a rota principal da maioria dos Brasilienses consiste em Ministérios, Tribunais e Congresso Nacional, as mulheres estão sempre formalmente vestidas com suas camisas, calças de alfaiataria, saias lápis um pouco acima do joelho e scarpins. E como é que eu, uma típica brasiliense, que também formou-se em direito e tornou-se servidora pública, foi se interessar por moda?

Haaaaaaaaaaaa, essa resposta eu também não encontrei. Fui buscar as mais remotas memórias desde a minha infância e o que me lembrei foi que sempre gostei de ficar observando minha mãe se arrumar para ir trabalhar, me preocupava com as roupitchas que usaria nas festinhas da escola, além de adorarpitacar nas produções das minhas friends.

E como finalmente decidi que cursaria Consultoria de Imagem? Então, quando cheguei em São Paulo, já tinha feito uma pesquisa sobre algumas boas escolas que ofereciam cursos livres na área de moda, e o SENAC foi minha primeira parada (o blog Oficina de Estilo teve grande importância nessa pesquisa). Quando li o cronograma do curso de Consultoria, tive a certeza de que era por ali que começaria. E hoje posso dizer que acertei em cheio. Consigo me lembrar do primeiro dia de aula.

Pela primeira vez eu estava com pessoas que tinham exatamente os mesmos interesses e curiosidades que as minhas! Naquele dia, a minha sensação era de realização plena. E a Gi e a Dani compartilham comigo, aqui no Pitacos, todo o prazer que tenho em dividir tudo o que aprendi, aprendo e aprenderei nesta minha grande paixão que se tornou a Consultoria de Imagem!


 

Beijos,
Lili

 

Escrito por Lili de Deus em 26 abril, 2011 | Tags: , ,

dez 02

Sobre a extensa ausência, eu nem vou falar nada! E menos ainda se escreverei com pontualidade. O que importa é agora!

Então. Vira e mexe a gente ouve algum engraçadinho dizer que tudo igual é um caminhão cheio de japonês, não é? Pois eu não acho. Nem irmãos gêmeos conseguem ser exatamente iguais, fato. E aí, o povo acha que personal stylist é o cara que sabe tudo de moda, seja pra te ajudar a se vestir, seja pra fazer um editorial ou seja simplesmente pra falar abobrinhas e todo mundo achar que ele é super fashionista. Não. Deixe-me explicar:

O consultor de imagem é aquele que trabalha a imagem a favor do cliente, de acordo com suas necessidades. Não segue tendências de moda, mas sim o equilíbrio da imagem que o cliente tem com a que ele quer passar, agregando características físicas (biótipo, cores, formato de rosto, etc.), pessoais (estilo) e até psicológicas. Ele é capaz de fazer personal shopper, personal wardrobe e alguns outros serviços relacionados.

Já o personal stylist é o profissional que leva a moda a seus clientes. Esse profissional sabe TU-DO o que tá rolando no cenário mais que atual da moda. Tipo assim, a modelo saiu da passarela para o backstage, ele já tá usando e levando para os clientes. Ele ajuda o cliente a usar a tendência de  moda a seu favor, lembrando o trabalho do consultor de imagem.

E o consultor de moda é aquele que faz os editorias de moda, seja na revista, na TV, na internet. Esse profissional conhece muito de tendências nacionais e internacionais, mas costuma trabalhar com meios de comunicação de moda.

Muitos consultores de imagem são personal stylist e isso é possível. Assim como é possível, sim, um profissional oferecer esses três serviços e mais alguns tantos. Porém, são sim serviços diferentes! Tanto que dizem por aí que a Dilma, a adorável presidente eleita (NOT) tinha um personal stylist e várias piadinhas que ela seria a Mônica, aquela dos quadrinhos do Maurício de Souza. Porém ela teve muitas mudanças, inclusive de comportamento, admito. Política não se discute e nem é esse meu objetivo aqui, embora eu esteja muito insatisfeita com a escolha do nosso país. Whatever! Acredito que tenha sido um trabalho árduo para este profissional e admiro o resultado que ele alcançou, se bem que foi mais um trabalho de marketing que de moda. Por outro lado, a consultoria de imagem é bem um trabalho de marketing pessoal, mesmo. Por isso que eu aposto que aquela história que ela tinha parceria com o Alexandre Herchcovitch era pura balela, joguinho pra angariar votos de uma classe social com conhecimentos mais evoluídos. Mas, espero que vocês tenham entendido o que eu quis dizer com o função exercida pelo profissional de imagem que a trabalhou. Era isso!

Escrito por Dani Argibay em 2 dezembro, 2010 | Tags: , , , ,

nov 21
Gente, essa semana foi meu aniversário. Mais exatamente, ontem, dia 20/11. Eu sempre fui apaixonada pela data do meu aniversário. Mas nos últimos 3 anos tem sido um porre por causa desse feriado besta que inventaram, o Dia da Consciência Negra. Um verdadeiro ode ao racismo, vamos combinar. Afinal, também existe o Dia do Imigrante (25/06) e nem por isso é feriado. E olha que muitos deles, como os portugueses, espanhóis, italianos e uns tantos outros, também fazem parte da nossa história. Se duvidar, até mais que os negros. Caso contrário, em vez de sermos um país em desenvolvimento e de grande destaque mundial, ainda poderíamos ser índios com uma história estagnada. E eu não poderia vir aqui tentar falar de moda. Mas é melhor não aprofundar no mérito da questão, até porque esse assunto envolveria questões políticas e eu acabaria falando de toda minha revolta e indignação contra esse governinho petista. Além de não adiantar nada, esse não é o objetivo aqui.
E vocês devem estar fazendo a mesma pergunta que eu me fiz ao terminar de escrever este primeiro parágrafo: ‘E o que isso tudo tem a ver com moda?‘. Resposta: incentivo. Vocês já pararam para pensar no conceito de moda no Brasil? Quem lança tendências aqui nessas terras tropicais? Resposta: nossa adorááda Rede Globo. E eu poderia destacá-la em itálico ou negrito, mas melhor deixar assim mesmo. Esse foi até tema de uma discussão em sala de aula, no curso de História da Moda. Pronto, acabei caindo em política de novo, porém por um outro ângulo…
Se eu pedir para você me citar 3 nomes de designers brasileiros, os dois primeiros até poderão vir rápido. Mas certeza que você parará para pensar no terceiro. Sabe por quê? Porque quem dita moda no Brasil é a novelenha das 8, bem! Ou vai me dizer que você nunca se pegou falando ‘are-baba!‘ ou admirando um lencinho indiano?!? Ah, vá! E nossos talentosos designers, onde ficam?
Sim, a moda no Brasil está em constante crescimento. Graças ao SPFW e outros grandes eventos relacionados. E seria bom que o governo disponibilizasse mais atenção e incentivo para esse mercado um tanto quanto promissor. E a outros tantos eventos que auxiliam no pensamento da evolução pessoal. Ah, não… É melhor investir no Bolsa Cinema. Assim, eles garantem salas lotadas para que toda população brasileira se comova com ‘Lula, Filho do Brasil‘, a humilde história de nosso querido presidente (auto)mutilado. – Ooops! Acho que exagerei aqui… – E o povão acha o presidente legal, afinal de contas o negócio é emendar o feriadão e correr para praia! Ou seja, continuam comprando modinha Globo e caminhando com cabrestos. Afinal, tudo acaba em pizza, mesmo!
Por outro lado, talvez até seja melhor deixar esse mercado quieto assim mesmo, para não aumentar a concorrência e priorizar a qualidade.
Enfim, eu quero evoluir e ter pensamentos próprios, além de plantar sementinhas assim para quem lê. Por isso que me dei de presente de aniversário este blog. E que fique claro que não me acho dona da verdade. Estou em processo de evolução.
Escrito por Dani Argibay em 21 novembro, 2009 | Tags: , ,