Pitacos Fashion

Pitacos sobre moda, arte, cultura e muitas outras coisas. Welcome!

Subscribe to Pitacos Fashion Add to Technorati Favorites Add to Del.icio.us Favorites

Archive for março, 2010

mar 27

Então, começaram as aulas. E eu vi que dormir é mesmo para os fracos! E como eu pareci forte, pra mim mesma até!

Primeira aula é aquela coisa, néam?! Todo mundo se conhecendo, se observando… ‘Quem é você? O que você faz? Por que está aqui?‘ A turma é bacana, 3 meses de convivência e seremos BFF! ;) A segunda aula, ai sim! Bora pôr a mão na massa! Mas cuidado com a quantidade de água para não desandar. Oi?

Pois é… Pedroca não teve dó de São Paulo (mais uma vez) e atravessar a cidade era uma tarefa impossível! Comecei bem… bem com o pé esquerdo, perdendo a primeira aula efetiva! Eu posso ser teimosa, mas também sou persistente! Mesmo triste e com raiva, tomei providências pra correr atrás do prejú. E (finalmente!) comecei a sentir na pele o que é o tal do networking. Ainda bem que a , minha amiga super fashion do curso de História da Moda, está na outra turma e vai fazer a super gentileza de me passar e me ajudar com a matéria. Tatty, a teacher fashion, que se prepare, pois a pentelha aqui também vai acionar o modeon em potência máxima! Eu tô de cabeça nesse negócio, disposta a ultrapassar meus limites e chegar onde almejo!

Percebi que estou apaixonada e não sei exatamente por que. Ou sei? Afinal, não precisa ser exatamente por outra pessoa… Só sei que quando a gente fica apaixonada é uma beleza! Sim, a sensação é mara e a gente sente disposição pra tudo e qualquer coisa! Até pra fazer burrada sem perceber… E o Keane (lá em cima ↑) foi perfeito!

Calma! Hora de esvaziar um pouco essa euforia e essa ansiedade, senão vou despencar e não vai ter cristo que me levante! Huuuuuummmfffffff!!!

Força na peruca, porque esse é só o começo!


Escrito por Dani Argibay em 27 março, 2010 | Tags:

mar 20

Eita semaninha difícil, viu! E eu nem tive cabeça pra pensar em algo realmente decente para falar aqui, sorry! Isso é só resultado da ansiedade que enrolou, enrolou,  mas bateu à porta. Teve jeito, não…

Wish me luck, pois essa semana começa meu tão esperado curso de Consultoria de Imagem. Agora vai! Espero que até se torne mais fácil escrever e trazer idéias bacanas pra cá! Talvez não dê taaaaanto tempo, mas prometo que farei o possível.

Aguardem! ;)

Escrito por Dani Argibay em 20 março, 2010 | Tags:

mar 13

Então, mudaram a famosa frase do Oscar, aquela ‘And the Oscar goes to…‘, para ‘The Winner is…‘. Quer dizer, ouvi falar, uma vez que não assisti, outra vez que sou peona, lembra? Pois bem, se é verdade, particularmente, não gostei. ‘The winner is…‘ é muito Golden Globe, Grammy, Brit Awards e cia. Oscar é Oscar! E ‘The Oscar goes to…‘ é a frase do Oscar, inconfundível e incomparável! Como o Oscar! Whatever…

Alguma coisa eu vi, senão ia estar aqui falando o que, né? Aí, eu acabei acompanhando pelo Twitter, prorrogando um ‘agora chega!‘ a cada 10 minutos, incessantemente. Consegui deitar à 0h30, imaginem como foi minha 2ª feira… Mas ainda achei mais legal que assistir pela televisão, pois aquela tradução simultânea com aqueles comentários toscos dos ‘críticos’ de cinema me irritam consideravelmente. Parece até que eles vivem tão grudados na telinha do cinema que esquecem que existe uma vida real fora. Então, sem esses parâmetros de realidade, como eles podem afirmar que tal filme é bom ou ruim por isso ou aquilo? Besta! Mas o negócio não é bem a cerimônia, o que pega meeeeesmo é o tal Red Carpet. E, pra nossa sorte, esses ‘críticos’ pensam que entendem de cinema, e nada no quesito moda. Ainda bem!

E esse ano elegi logo de cara o meu preferido e consegui ficar com (quase) uma única opção:

Eu nem tenho vontade de falar mais nada! Mas vamos lá. A sortuda de estar vestindo essa maravilha é Rachel McAdams. E o vestido é de Elie Saab. Ele é um estilista libanês nascido no Dia da Independência dos EUA (oi?). Como muitos colegas de profissão, aprendeu a costurar, desenhar e estilizar desde pequeno e as características mais marcantes de seu trabalho são a feminilidade e o romantismo. Ele ficou famosenho quando Halle Berry apareceu na cerimônia do Oscar 2003 usando um de seus vestidos em vermelho com transparências e ganhou o prêmio de Melhor Atriz por Monster’s Ball. Pra saber mais sobre Elie Saab, vale a pena acessar o site! Quase todos os vestidos desfilados pelas atrizes estavam lindos. Mas esse me chamou a atenção por ser clássico e exótico ao mesmo tempo, sem perder o glamour que é do Oscar! Divertido por ser estampado, romântico por causa dos tons e cores, clássico por ser longo, brilhante por estar no Red Carpet. Precisa mais?

Ser meu! :P

Escrito por Dani Argibay em 13 março, 2010 | Tags:

mar 06

Greta Garbo andou atropelando meu caminho esses dias, então resolvi saber um pouco mais sobre ela e contar aqui. Primeiro começou com o texto da @karilima no Mulherices, blog que eu super recomendo. Depois, fiquei sabendo de uma exposição sobre seu closet na Itália, por Salvatore Ferragamo (mais informações no GNT Estilo e no Fashion Foward).

Se seu interesse é saber mais sobre a história de Greta Garbo, leia o texto do Mulherices. Aqui, pretendo falar mais sobre o estilo dela.

Pois bem. Em minhas primeiras pesquisas li que a Srta. Garbo não era tão estilosa assim… Então, por que uma exposição sobre seu closet? Continuei a pesquisar e não foi tão difícil descobrir que a informação estava levemente equivocada. Na verdade, Greta era admirada por seu estilo pessoal simples, elegante e ligeiramente masculinizado. Lembrando que nessa época, Chanel já ditava o conforto na indumentária feminina com adaptações do guarda roupa masculino. E depois, lá nos anos 30, a maior referência de moda era o cinema, onde Garbo reinava. (Ela não gostava de seu primeiro nome.)

O que mais chamava atenção para seu  talento era sua expressão. Tão feminina, sexy e misteriosa que seus filmes requeriam poucas legendas. (O cinema ainda era mudo!) Ela conseguia se expressar apenas com os movimentos, principalmente das mãos, seu jeito de andar ligeiramente curvado, sua sutileza e sua expressão facial. E pensar que no começo foi tachada de ‘gorducha sueca sem retoque’. É, levou um tempo pra que ela perdesse o ar adolescente e pudesse aprofundar seus traços tão marcantes. Era uma nova mulher.

Nos anos 30, a mulher devia ser magra, bronzeada e esportiva. Ou seja, o modelo de beleza de Greta Garbo. Seu visual sofisticado, com sobrancelhas e pálpebras marcadas com lápis e pó de arroz bem claro foi muito imitado pelas mulheres. Ditou moda com seus chapéus de aba caída, criados por Adrian Gilbert. Aliás, esse estilista foi o que mais caiu no gosto sofisticado de Garbo. Além, claro, de Salvatore Ferragamo que criou um par de sapatos que agradou tanto Greta que ela mandou fazer 70 pares de uma só vez, variando, muitas vezes, apenas a cor.

Greta Garbo foi considerada uma das atrizes mais influentes da época, senão do século XX. Porém, não soube lidar com o sucesso precoce… Detestava expor sua vida particular e sua imagem. A única vez que a viram dar um autógrafo foi à uma menina  de 10 anos que desmaiou ao lhe entregar um álbum que havia feito com fotos e recortes da atriz. Greta também não soube lidar com críticas negativas e desgaste da imagem, além da 2ª Guerra Mundial, retirando-se de cena muito cedo, vivendo em reclusão. A partir de então, passou a vestir casacos e chapéus que a escondiam para que não fosse reconhecida por onde andava. Um talento perdido…

Próximo ao Dia Internacional da Mulher, nada melhor que falar de uma representante de porte!

Escrito por Dani Argibay em 6 março, 2010 | Tags: